Projetos Financeiros

Aqui você encontra diversas possibilidades de crédito.

BrasilEconomia

Haddad: Brasil vai crescer mais do que projeções do mercado; pode bater em 2%

O ministro reiterou, em entrevista à Globo News, a previsão próxima a 2% feita pela equipe econômica ao crescimento do PIB deste ano

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta sexta-feira, 26, que a economia brasileira está voltando à normalidade e deve crescer mais do que o previsto pelo mercado. O ministro reiterou, em entrevista à Globo News, a previsão próxima a 2% – 1,9%, precisamente – feita pela equipe econômica ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano.

“Nós estamos voltando à normalidade e vamos crescer mais do que as pessoas imaginam, digo as pessoas de mercado, que estão projetando ainda crescimento de 1,1% e 1,2%. Isso não vai acontecer”, declarou o ministro. “O Brasil vai crescer 1,7%, 1,8%, e os mais otimistas, como eu, dizem que o crescimento pode bater em 2% este ano”, acrescentou.

O ministro demonstrou confiança na redução em breve dos juros, mas, por outro lado, manifestou preocupação com a transição até o relaxamento da política monetária ter efeito no crédito e no consumo. Por esse motivo, justificou, o governo anunciou ontem a desoneração dos automóveis de entrada, uma tentativa de resgate do carro popular.

Segundo Haddad, o programa apresentado pelo vice-presidente e ministro da Indústria, Geraldo Alckmin, é de curto prazo, além de focado em “soluções ambientalmente corretas”, com o objetivo de contornar a atual limitação de crédito no mercado, que tem levado a um grande acúmulo de estoque nos pátios de montadoras e concessionárias. “Várias montadoras deixaram o Brasil”, lembrou o ministro ao defender que o País precisa de um programa para evitar o fechamento de outras fábricas durante a transição. Ele observou que a conjuntura da indústria automotiva inspira cuidados não apenas pela alta de juros, mas também pela crise na Argentina, historicamente o principal destino dos carros exportados pelo Brasil.

Redação IF

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *